É o olhar que pinta

Adoro página em branco, começar do zero, construção. Procuro olhar para o meu entorno como se tudo fosse novidade. Ok, não sou uma alucinada. Tenho meus dias ruins, mas, na maioria das vezes, gosto de olhar bem o que vejo, porque tem sempre muito mais nos momentos, nos detalhes de cada cena. Existe todo um mundo que não se consegue ver apenas numa passada. É preciso estar atenta e procuro estar. O que não vejo, minha imaginação provoca e é por isso que gosto tanto de uma página em branco. Gosto dela ali, tão cheia de possibilidades, esperando pelas experiências que a minha cabeça inquieta irá produzir. Acho muito bacana! Queria propor a você: que tal brincar disso todo dia? Veja, quando você acordar amanhã, seu dia estará em branco. Mesmo que você tenha um monte de tarefas planejadas, você ainda não as realizou. Não passou por aquela rua, não tomou aquele café na esquina, não deu um beijo em alguém querido. Tudo ainda está de fato em branco. Então, quanto, entre realidade e imaginação, sua cabeça, seu gestual, seu olhar conseguirá produzir, registrar, interagir até ele terminar? Exercita aí. Depois me conta aqui. Me diz o que viu, o que fez, o que imaginou, quem encontrou, o que sentiu. Quero saber se essa foi ou não uma boa experiência para você.

poutporri

Contato: asamico@intersecao.com.br

 

Deixe uma resposta